Outubro Rosa: Saiba tudo sobre o Câncer de Mama
outubro 3, 2017
5 Sintomas que indicam que o seu sistema imunológico pode estar debilitado
outubro 4, 2017

Fator de Transferência: Descoberta científica prova que é possível transferir imunidade entre organismos

Atualmente, são muitos os fatores que contribuem para a debilidade e enfraquecimento geral das defesas do corpo. Os mais comuns são:

  • Estresse prolongado
  • Alimentação inadequada
  • Distúrbios do sono
  • Doenças em geral
  • Entre outros

Fatores que enfraquecem nossas defesas e nos espoem a uma quantidade maior de riscos e enfermidades, sejam através de vírus, bactérias, fungos, parasitas entre outros.

dr sherwood lawrence

Dr. Sherwood Lawrence

Pesquisadores americanos descobriram há quase sete décadas que seria possível transferir a imunidade celular de um doador a um receptor e ainda educar o sistema imunológico. A descoberta foi feita pelo Dr. Sherwood Lawrence, enquanto estudava a tuberculose no ano de 1949.

O Fator de transferência é um agente natural que pode aumentar a capacidade do organismo de combater as enfermidades e melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.

Fatores de Transferência são moléculas naturais que compõem os leucócitos (glóbulos brancos) e estão presentes nos organismos de todas as espécies de animais, mesmo em Sistemas Imunológicos muito primitivos.

Essas moléculas são portadoras de mensagens imunizadoras constituídas por pequenas cadeias de proteínas e outros compostos relacionados. Elas informam o Sistema Imunológico quando uma ameaça tenta se instalar no organismo – não importando se a ameaça é interna ou externa – e também, como cada célula deve responder apropriadamente à ameaça.

Os Fatores de Transferência são produzidos por linfócitos com função de célula mediadora imunizadora. Eles carregam o antígeno dos linfócitos dos pais – célula mediadora imunizadora específica – para os linfócitos não-sensibilizados ou ingênuos dos filhos. Eles também podem incrementar a atividade estimuladora da imunidade antigênica não-específica, dos linfócitos receptores.

4life_cienciaQuando as células imunizadoras destacadas detectam organismos estranhos, produzem Fatores de Transferência específicos para os organismos invasores. Estes são transmitidos imediatamente a outras células imunizadoras “levando a mensagem” da existência de algo estranho e suas características.

A informação imunizadora, ou seja, o reconhecimento de patogêneses e as correspondentes respostas, são transmitidos através dos fatores de indução, supressão e de antígenos específicos.

Fator de Indução

Permite ao fator de transferência ajudar na resposta imunizadora adequada às infecções virais, parasitárias e malignas; doenças bacteriológicas e micro bacteriológicas, infecções fúngicas; desarranjos auto-imunes e doenças neurológicas. Este fator pode transferir uma resposta imune em menos de 24 horas e reduzir significativamente, ou eliminar, sintomas de indisposição.

Fator Supressor

Evita que o Sistema Imunológico forneça resposta excessiva para os polens e outros corpos estranhos, como também para si mesmo no caso de distúrbios auto-imunes.

Fator Antigênico Específico

Carrega informações cruciais que o Sistema Imunológico usa para identificar micróbios e células estranhos.

Tais compostos imunizadores são idênticos para todas as espécies. Assim, é perfeitamente possível que os Fatores de Transferência encontrados no colostro das vacas e na gema do ovo de galinhas sejam utilizados para o proveito humano. Essas fontes conferem aos animais uma imunidade temporária contra todos os organismos aos quais as mães foram expostas.

Desse modo, o recém-nascido recebe uma certa proteção até que seu Sistema Imunológico se desenvolva completamente. Analogamente, a mesma proteção temporária por ser desfrutada por seres humanos de qualquer idade.

Diferente dos suplementos imunizadores tradicionais – que na sua maioria proporcionam apenas o suporte para uma função imunizadora adequada – os Fatores de Transferência também proporcionam inteligência imunizadora. A informação imunizadora e a instrução são a chave para ajudar o Sistema Imunológico a continuar seu trabalho e alcançar a eficiência.

Fontes de Origem do Fator de Transferência

Até meados da década 1980 a única fonte de Fatores de Transferência conhecida era o sangue, quando então, pesquisadores estudaram a hipótese dos Fatores de Transferência estarem presentes no colostro bovino. Findo o estudo e confirmada a presença, em 1989 o processo de extração foi patenteado. O colostro nada mais é do que o primeiro leite produzido pela fêmea logo após dar à luz. Importante observar, que o Fator de Transferência não é o Colostro, ele está presente no Colostro. Atualmente, as moléculas do Fator de Transferência são extraídas do Colostro, são purificadas e concentradas, formando os atuais suplementos de Fatores de Transferência.

As fontes de Fatores de Transferência conhecidas atualmente são:

  • Leucócitos do sangue de um doador sadio;
  • Linfócitos clonados por cultivo “in vitro”;
  • Colostro bovino e
  • Gemas do ovo de galinha

O Fator de Transferência apresenta resultados expressivos nos seguintes tratamentos:

  • Alergias – Ao regular a produção de Citocinas, as quais mediam a resposta alérgica
  • Auto-imunes – Ao regular a resposta imunológica. Se estiver alta, o regulador baixa. Se está baixa, o regulador aumenta.
  • Oncológicas- Ajuda na produção e educação de células que defendem o organismo
  • Do Sistema Imunológico – Ao estimular a resposta imunológica
  • Doenças Infecciosas – Ao gerar mecanismos de controle

bezerroDentre todas, as fontes mais promissoras comercialmente são o colostro do leite bovino e as gemas dos ovos de galinha. É sempre bom lembrar que os efeitos das propriedades dos Fatores de Transferência não se restringem às espécies que os originam, mas, comprovadamente podem ser ministrados nos seres humanos e produzir com segurança os mesmos resultados que na espécie de origem.

Por serem moléculas naturais, os Fatores de Transferência têm sido utilizados em suplementos nutricionais de forma absolutamente segura há vários anos. Ao longo da história do uso dos Fatores de Transferência em mais de 16 anos de comercialização dos suplementos, não houve notícia de reações adversas graves, mesmo em casos de dosagem maciça ou em doses normais por tempo prolongado.

Fatores de Transferência no Brasil

No Brasil a ANVISA liberou a comercialização dos Fatores de Transferência na forma de Suplementos.

“…O fator de transferência é um elemento capaz de modificar o sistema imunológico, transformar a capacidade do organismo de responder bem à qualquer doença…” – Dr. Edson Andrade

O Dr. Edson Andrade é Cardiologista, Infectologista e Perito em Saúde. A citação acima sobre os Fatores de Transferência foi feita em palestra ministrada em Niterói / RJ em 10/06/2014, conforme o link abaixo:

ASSISTA NO YOUTUBE

O consultor Ribeiro, morador da Região Centro Oeste do Brasil, relata que ao receber o diagnóstico de Câncer de Próstata em meados de Setembro de 2014 ficou chocado, “foi algo inesperado, era um exame de rotina…” Ao descobrir os Fatores de Transferência, decidiu utilizar o suplemento em conjunto com as seções de Quimioterapia e Radioterapia que teria que fazer.

“Não caiu um fio do meu cabelo…”, afirma com convicção Ribeiro, e exibe o resultado da Ressonância realizada após os quase 03 meses de tratamento: “Ausência de Sinal de Tumor”

banner_SUPER_transferfactor

Embora o Fator de Transferência não seja um medicamento, sua ação de regular e potencializar o Sistema Imunológico confere ao próprio organismo humano a capacidade de combater a ameaça de forma mais eficiente, potencializando a ação das células Natural Killer, aumentando a produção do anticorpo IgA e respaldando o funcionamento dos outros sistemas do corpo.

Fonte: www.saudepravida.com.br

Abrir chat